Técnico do Seguro Social

Prepare-se com questões de Técnico do Seguro Social

  1. Código da questão: Q198Ca

    (Cespe/UNB - 2008 - INSS) - Osvaldo cumpriu pena de reclusão devido à prática de crime de fraude contra a empresa em que trabalhava. No período em que esteve na empresa, Osvaldo era segurado da previdência social. Nessa situação, Osvaldo tem direito de continuar como segurado da previdência social por até dezoito meses após o seu livramento.

  2. Código da questão: Q1408Ca
    (Cespe/UNB - 2003) A respeito do regime geral de previdência social (RGPS), julgue o item seguinte

    Se um ex-dirigente sindical, aposentado pelo RGPS, for nomeado magistrado classista temporário da justiça do trabalho, ele será segurado desse regime como empregado.
  3. Código da questão: Q1384Ca
    (Cesgranrio 2005) Assinale o único benefício cuja percepção NÃO enseja o pagamento do abono anual.
  4. Código da questão: Q240Ca

    (Cespe/UNB - 2008 - INSS) - Considere a seguinte situação hipotética.
    João, por ter constatado erros em sua ficha hospitalar, dirigiu-se ao setor de registros do hospital e solicitou ao atendente que lhe mostrasse a ficha. Inicialmente, o atendente dificultou-lhe o acesso aos dados e, somente depois de muita insistência, João conseguiu convencê-lo da necessidade de alterar alguns dados no referido documento. Entretanto, passada uma semana, João constatou que as alterações solicitadas não haviam sido efetuadas. Nessa situação, do ponto de vista do Código de Defesa do
    Consumidor, João nada poderá fazer, pois o código é omisso com relação a esse tipo de problema.

  5. Código da questão: Q11Ca

    (Cespe/UNB - 2008 - INSS) - Um segurado empregado do regime geral que tenha sofrido acidente no trajeto de sua casa para o trabalho tem direito ao recebimento do auxílio-doença pela previdência social a partir do primeiro dia de afastamento do trabalho.

  6. Código da questão: Q190Ca

    (Cespe/UNB - 2008 - INSS) - A empresa em que Maurício trabalha paga a ele, a cada mês, um valor referente à participação nos lucros, que é apurado mensalmente. Nessa situação, incide contribuição previdenciária sobre o valor recebido mensalmente por Maurício a título de participação nos lucros.

  7. Código da questão: Q247Ca

    (Cespe/UNB - 2008 - INSS) - Renato, servidor de órgão público federal e estudante, constatou, no início do ano letivo, incompatibilidade entre seu horário escolar e o da repartição onde trabalha. Depois de explicar sua situação ao chefe, foi por este informado de que teria direito a horário especial, desde que compensasse o tempo não trabalhado. Renato contra-argumentou dizendo que era impossível compensar o tempo de afastamento do trabalho, pois, além de assistir às aulas, precisava estudar muito e fazer as tarefas  escolares. Nessa situação, os argumentos de Renato não têm amparo legal.

  8. Código da questão: Q179Ca

    (Cespe/UNB - 2008 - INSS) - Como ficou desempregado por mais de quatro anos, Mauro perdeu a qualidade de segurado. Recentemente, conseguiu emprego em um supermercado, mas ficou impossibilitado de receber o salário-família pelo fato de não poder contar com as contribuições anteriores para efeito de contagem do tempo de carência, que, para este benefício, é de doze meses. Nessa situação, Mauro poderá contar o prazo anterior à perda da qualidade de segurado depois de contribuir por quatro meses no novo emprego, prazo exigido pela legislação.

  9. Código da questão: Q3Ca

    (Cespe/UNB - 2008 - INSS) - Tereza encontra-se afastada de suas atividades laborais e recebe o auxílio-doença. Nessa situação, caso engravide e tenha um filho, Tereza não poderá receber, ao mesmo tempo, o auxílio-doença e o salário-maternidade.

  10. Código da questão: Q172Ca

    (Cespe/UNB - 2008 - INSS) - Firmino foi professor do ensino fundamental durante vinte anos e trabalhou mais doze anos como gerente financeiro em uma empresa de exportação. Nessa situação, excluindo-se as regras de transição, Firmino pode requerer o benefício integral de aposentadoria por tempo de contribuição, haja vista a possibilidade de computar o tempo em sala de aula em quantidade superior ao efetivamente trabalhado, dada a natureza especial da prestação de serviço.