Português – Nível Superior

Prepare-se com questões de Português

  1. Código da questão: Q992Ca
    Vivia longe dos homens, só se dava bem com os animais. Os seus pés duros quebravam espinhos e não sentiam a quentura da terra. Montado, confundia-se com o cavalo, grudava-se a ele. E falava uma linguagem cantada, monossilábica e gutural, que o companheiro entendia. A pé, não se aguentava bem. Pendia para um lado, para o outro, cambaio, torto e feio. Às vezes utilizava nas relações com as pessoas a mesma língua com que se dirigia aos brutos exclamações e onomatopeias. Na verdade, falava pouco. Admirava as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava reproduzir algumas, em vão, mas sabia que elas eram inúteis e talvez perigosas (Graciliano Ramos, Vidas secas).

    Em geral, o texto de Graciliano Ramos
  2. Código da questão: Q1117Ca
    Considere as afirmações sobre a tirinha.

    I. A mãe de Mônica compreendeu a frase da filha em sentido próprio.

    II. O exagero presente na atitude da mãe de Mônica contribui para a comicidade do  texto.

    III. Mônica e Magali encararam com naturalidade o que ocorreu na cozinha.

    IV. Na expressão pra almoçar percebe-se a ideia de finalidade.

    É correto o que se afirma em

  3. Código da questão: Q995Ca
    Caminheiro que passas pela estrada
    Seguindo pelo rumo do sertão,
    Quando vires a cruz abandonada,
    Deixa-a em paz dormir na solidão.
    (Castro Alves)

    Reescrevendo o terceiro verso, ocorreu problema de regência na opção
  4. Código da questão: Q1675Ca

    (Ferreira de Moura - 2012 - SEPLAG) A expressão “ O gigante asiático” substitui China, constituindo um importante elemento de:

  5. Código da questão: Q990Ca
    Vivia longe dos homens, só se dava bem com os animais. Os seus pés duros quebravam espinhos e não sentiam a quentura da terra. Montado, confundia-se com o cavalo, grudava-se a ele. E falava uma linguagem cantada, monossilábica e gutural, que o companheiro entendia. A pé, não se aguentava bem. Pendia para um lado, para o outro, cambaio, torto e feio. Às vezes utilizava nas relações com as pessoas a mesma língua com que se dirigia aos brutos exclamações e onomatopeias. Na verdade, falava pouco. Admirava as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava reproduzir algumas, em vão, mas sabia que elas eram inúteis e talvez perigosas (Graciliano Ramos, Vidas secas).

    O que há de efetivo na forma de articular as palavras para a personagem de Graciliano Ramos?
  6. Código da questão: Q1676Ca

    (Ferreira de Moura - 2012 - SEPLAG) “ [...] se a China, o maior poluidor do planeta, não moverse da sua posição, não haverá
    avanço de sequer de uma polegada [...]” . As palavras grifadas no trecho exercem a função sintática de:

  7. Código da questão: Q993Ca
    Caminheiro que passas pela estrada
    Seguindo pelo rumo do sertão,
    Quando vires a cruz abandonada,
    Deixa-a em paz dormir na solidão.
    (Castro Alves)

    O último verso traz um exemplo de
  8. Código da questão: Q1792Ca

    (Ceperj - 2012 - Degase) “É forçoso reconhecer que razão assiste ao magistrado.”
    A frase acima exemplifi ca um uso mais formal da língua, escolhido
    pelo autor deste texto, que foi originalmente publicado em uma
    seção voltada para questões de Direito e Justiça de um jornal.
    No contexto da frase, o signifi cado do verbo “assistir” é:

  9. Código da questão: Q1678Ca

    (Ferreira de Moura - 2012 - SEPLAG) Observe o trecho: “ No aspecto diplomático, os chineses vem fazendo o que bem entendem
    e é um dos países que mais investem nas economias pobres.” De acordo com o Novo Acordo Ortográfico firmado entre os países lusófonos em 29 de setembro de 2008 e em vigor desde 1º de janeiro de 2009, que estabeleceu novas regras para a nova ortografia, podese afirmar em relação à ausência do acento circunflexo no verbo que está:

  10. Código da questão: Q1110Ca
    O sinal indicativo de crase está empregado corretamente em