Português – Nível Superior

Prepare-se com questões de Português

  1. Código da questão: Q1115Ca

    Clique
    aqui e leia o texto relacionado com a questão

    Assinale a alternativa em que a expressão por que foi empregada corretamente e com a mesma função com que aparece na frase do texto: Por que proibiram pastel?
  2. Código da questão: Q1117Ca
    Considere as afirmações sobre a tirinha.

    I. A mãe de Mônica compreendeu a frase da filha em sentido próprio.

    II. O exagero presente na atitude da mãe de Mônica contribui para a comicidade do  texto.

    III. Mônica e Magali encararam com naturalidade o que ocorreu na cozinha.

    IV. Na expressão pra almoçar percebe-se a ideia de finalidade.

    É correto o que se afirma em

  3. Código da questão: Q995Ca
    Caminheiro que passas pela estrada
    Seguindo pelo rumo do sertão,
    Quando vires a cruz abandonada,
    Deixa-a em paz dormir na solidão.
    (Castro Alves)

    Reescrevendo o terceiro verso, ocorreu problema de regência na opção
  4. Código da questão: Q989Ca
    Vivia longe dos homens, só se dava bem com os animais. Os seus pés duros quebravam espinhos e não sentiam a quentura da terra. Montado, confundia-se com o cavalo, grudava-se a ele. E falava uma linguagem cantada, monossilábica e gutural, que o companheiro entendia. A pé, não se aguentava bem. Pendia para um lado, para o outro, cambaio, torto e feio. Às vezes utilizava nas relações com as pessoas a mesma língua com que se dirigia aos brutos exclamações e onomatopeias. Na verdade, falava pouco. Admirava as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava reproduzir algumas, em vão, mas sabia que elas eram inúteis e talvez perigosas (Graciliano Ramos, Vidas secas).

    Montado, confundia-se com o cavalo, grudava-se a ele. Por esta referência, a pessoa descrita por Graciliano Ramos
  5. Código da questão: Q1114Ca

    Clique aqui e leia o texto relacionado com a questão

    Assinale a alternativa que apresenta, correta e respectivamente, as circunstâncias expressas pelos termos em destaque nos trechos a seguir.

    Um projeto de lei que tramita na Câmara... (1.º parágrafo)
    ...alimentos com muito sal, gordura ou açúcar deveriam ser vetados... (2.º parágrafo)
    ...deve ser incentivado, mas não imposto. (4.º parágrafo)
    A gente sente falta, mas a escola fez bem. (último parágrafo)
  6. Código da questão: Q1675Ca

    (Ferreira de Moura - 2012 - SEPLAG) A expressão “ O gigante asiático” substitui China, constituindo um importante elemento de:

  7. Código da questão: Q1793Ca

    (Ceperj - 2012 - Degase) O vocábulo que é um pronome relativo quando substitui palavra já enunciada. O exemplo do texto no qual o vocábulo que se classifi ca como pronome relativo está em:

  8. Código da questão: Q1113Ca

    Clique
    aqui e leia o texto relacionado com a questão

    Na frase Um projeto de lei que tramita na Câmara quer obrigar instituições públicas e privadas de ensino infantil e fundamental a só vender e oferecer aos alunos alimentos saudáveis. o termo em destaque pode ser substituído, sem prejuízo para o sentido do texto, por
  9. Código da questão: Q1674Ca

    (Ferreira de Moura - 2012 - SEPLAG) De acordo com a norma padrão, a colocação pronominal do trecho a seguir está incorreta:
    “ Muito já se falou e nas próximas três semanas falaráse ainda mais sobre a reunião da ONU em Copenhague” . O correto seria o uso da:

  10. Código da questão: Q992Ca
    Vivia longe dos homens, só se dava bem com os animais. Os seus pés duros quebravam espinhos e não sentiam a quentura da terra. Montado, confundia-se com o cavalo, grudava-se a ele. E falava uma linguagem cantada, monossilábica e gutural, que o companheiro entendia. A pé, não se aguentava bem. Pendia para um lado, para o outro, cambaio, torto e feio. Às vezes utilizava nas relações com as pessoas a mesma língua com que se dirigia aos brutos exclamações e onomatopeias. Na verdade, falava pouco. Admirava as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava reproduzir algumas, em vão, mas sabia que elas eram inúteis e talvez perigosas (Graciliano Ramos, Vidas secas).

    Em geral, o texto de Graciliano Ramos